por Marília Martins
(coordenadora voluntária de Guarulhos/SP)

 

Ando em um momento tão louco e atribulado da minha vida que estava sem um pingo de criatividade para cumprir a prazerosa tarefa mensal de escrever para vocês. Estava me punindo e me cobrando muito por isso. Até mandei um e-mail para o Jhonatas pedindo desculpas porque o texto não sairia na data certa. Mas bastou um fósforo para incendiar a minha criação. Uma pena que me incendiei do sentimento que mais repudio…. a raiva.

Dias depois do sucesso da megatriagem, recebo um e-mail da Flávinha Loporchio, pedindo para entrar em contato com uma escola. Ela tinha recebido o seguinte e-mail:

“Bom Dia!

Ontem não pude levar minha filha para análise na Bela Vista, por falta de dinheiro. Ela tem 14 anos e tem vergonha de rir devido aos dentes que precisam de reparos, pois possuem aberturas entre dentes, cárie. Já coloquei aparelho e não pude manter a manutenção.

Por favor, pode agendar um local para levá-la e não perder essa grande oportunidade de ter dentes saudáveis e bonitos para rir sem vergonha e poder trabalhar. O local que puder encaixar, eu levo a adolescente.

Obrigado

Atenciosamente,
XXXXXXX XXXXXXX(Mãe)”

Logo abaixo estava o nome da jovem e do colégio em que ela está matriculada. Na mesma hora peguei o telefone e entrei em contato. Como é de costume aqui em Guarulhos, os funcionários da secretaria anotam o telefone, mas os coordenadores de ensino e/ou diretores NUNCA retornam. Depois da quarta vez que anotaram o número do meu celular com a promessa de que entrariam em contato, mandei um e-mail para a mãe da aluna explicando a história e pedindo a ela que me passasse algum contato porque assim ficaria mais fácil. Dias depois recebi a resposta da mãe,dizendo que tinha conversado com uma professora e que era só ligar. Pois bem, para minha surpresa, ao ligar para a pessoa indicada, a mesma não se deu ao trabalho de me ouvir. Simplesmente me disse que tem convênio com a prefeitura e que não havia interesse no projeto. Ainda tentei argumentar, com a maior educação e delicadeza do mundo, dizendo que tenho conhecidos dentro da prefeitura e sei que NÃO EXISTE CONVÊNIO ENTRE A PREFEITURA DE GUARULHOS E COLÉGIOS ESTADUAIS, e que os jovens seriam atendidos por dentistas em seus consultórios particulares, GRATUITAMENTE, até os 18 anos. A petulante senhora aumentou a voz perante meus argumentos (juro, eu estava sendo educada), reafirmou que não havia interesse e desligou o telefone na minha cara.

sabe o que é pior?!?! Não é a primeira vez que isso acontece. Muda a instituição, muda o nome do coordenador, mas os enredos são os mesmos.

Óbvio que temos sucesso. Existem diretores e coordenadores que são maravilhosos, pensam nas centenas de alunos que possuem com o mesmo carinho com que pensam em seus próprios filhos. Esses dirigentes nos fazem sentir como reis e rainhas nos dias de triagem, nos oferecem a melhor parte da merenda (sim, coordenador que é coordenador come a merenda e ainda repete!!! Rs), trazem bolachas, café, suco e muita água. Enfim, nos dão todo apoio e carinho porque sabem o valor do nosso trabalho. Entendem o valor de um sorriso.

Agora o que esperar dos jovens que, infelizmente, têm parte da sua educação orientada por pessoas mesquinhas, que não sabem pensar no próximo? Pensam sim em ter salários maiores, gratificações, promoções, sendo que não merecem nem o que ganham!!!!

E tudo acaba se tornando uma mistura louca de sentimentos… dó, raiva, indignação, mais raiva, piedade. Mas o que prevalece é o amor. Se desistíssemos em cada NÃO; se desistíssemos nas grosserias, nos telefonemas desligados na cara, nos recados não retornados ou na falta de interesse dos dirigentes de escolas estaduais não estaríamos onde estamos hoje. Se ligássemos para tudo isso, milhares de jovens deixariam de ser atendidos. Por isso o que prevalece no final das contas é o AMOR.

Para encerrar, só quero agradecer aos diretores, coordenadores e professores das 1.728 instituições de ensino que permitiram a entrada dos coordenadores da Turma do Bem. Vocês têm participação fundamental no sorriso de mais de 25.000 jovens!!!!

Ah, claro… meu mais sincero agradecimento à coordenadora Fulana de Tal. Obrigada por me destratar no telefone. Você reacendeu a minha criatividade (sua cretina, egoísta, mesquinha… que tenha dor de dente essa noite!).

Ufaaaaaaaa… bem mais leve!!!

P.S.: Depois de uma conversa com a Vivi, vou triar a aluna no meu próprio consultório. Pelo menos essa jovem VAI SORRIR sem a dependência de nenhum diretor ou coordenador do ensino público.

Agora sim… muito mais leve!!!!

Todos os deveres prazerosos estão cumpridos!!!!