Descompromisso

Fala-se em muitas mazelas que afligem o mundo moderno. Doenças sem cura, terremotos, tsunamis, furacões, desastres ambientais. Eu aproveito para falar de uma grande delas. Aquela que tem atingido impiedosamente todos os segmentos e causado traumas a pessoas que esperam o cumprimento das obrigações por parte dos que deveriam honrar os seus deveres: a falta de compromisso.

É incrível como hoje em dia as pessoas gostam menos de compromisso. Geralmente, o desapego às obrigações se torna mais comum nesse universo em que vivemos e convivemos. Ninguém é mais engajado em atividades que tomem o tempo, ou seja, duradouras. E isso se reflete nas relações humanas. Estar comprometido com algo não é para qualquer um. Por quê?

Porque estar comprometido toma tempo, dá trabalho e é difícil. É necessário responsabilidade. E não só com o trabalho ou carreira, mas também ter responsabilidade com as pessoas. Certa é a frase: “todos querem emprego, mas poucos querem trabalho”.

Estou vivenciando na minha faculdade a falta de materiais para as clínicas, o que acarreta uma fila de espera gigante, falta de esperança dos pacientes em serem atendidos. Não cabe aos professores arcar com os custos e a nós, alunos, cabe reivindicar para que verba chegue ao seu destino. Tal fato comprova a falta de compromisso do Estado em relação à saúde. Isto é apenas um caso especifico.

Amplificando a visão, vemos a toda hora em matérias jornalísticas médicos que não dão a devida assistência a seus pacientes, professores que não comparecem às aulas, ou – quando comparecem – não exercem corretamente sua função, pais que não acompanham adequadamente seus filhos, dívidas que não são saldadas e, assim, por diante. A lista seria extensa, mas as citadas já nos servem de reflexão.

E só para finalizar: ninguém chega aos Alpes se não escalar.

 

Cleferson Ferreira
ESTUDANTE DO BEM de Olinda/PE