por Nícia Paranhos Arruda
(coordenadora voluntária de Barra Bonita e Igaraçu do Tietê/SP)

 

Toda Capacitação e SdB, termina com uma grande “tarefa”(dever de casa):

2007 – Implantar o Projeto em Igaraçu, cadastrar Dentistas, fazer triagens.

2008 – Identificar um coordenador em Barra Bonita e Jau ( que deu muito certo não é Dra. Ângela?).

2009 – Exibição também num mesmo histórico dia do documentário “Boca a Boca”.

2010 – Festa da camiseta (Trident) e implantar o Projeto em Barra Bonita.

201 1 – Benfeitoria.

2012- Mega Triagem.

Daí voltamos para casa com milhões de idéias na cabeça! Mas logo as coisas se assentam e por vezes até nos culpamos por deixar “um pouco de lado”… Enfim, vem o final do ano e então vamos retomar efetivamente no próximo ano.

Esse ano foi a Mega Triagem e já iniciei com um grande desafio: Como me dividir em duas para que a Mega Triagem acontecesse simultaneamente em Barra Bonita e Igaraçu do Tietê ? E se precisasse optar por uma das duas cidades, qual seria o critério?

Depois de muito pensar, e acredito que tudo que se faz com boa vontade tem uma resposta, do nada me lembrei da Casa de Cultura e Cidadania, uma entidade social que atende jovens de Barra e Igaraçu… Bingo! Achei a minha solução.

Qual foi a minha surpresa, tudo se encaixou: jovens de Barra e Igaraçu, na faixa atendida pelo nosso Projeto, carentes e necessitados dessa oportunidade.

Fui muito bem recebida e assessorada. Imaginem vocês que encontrei todos os IHCs impecavelmente preenchidos, com todas as autorizações dos pais assinadas e anexadas (quem já fez ou participou de uma triagem, sabe o quanto isso facilita ).

Foi a triagem mais rápida e descomplicada que realizei. Triei 143 jovens, sozinha com a auxiliar do consultório, num tempo recorde. Com direito ao documentário “Boca a Boca” e lanchinho da tarde!

E conto aqui o maior gesto de “carinho e consideração” que já vivenciei: Naquele dia, o lanche substancioso, só foi servido após o termino da triagem. Antes foi oferecido apenas maçã, por razões óbvias… Tenho que agradecer a Maria Helena, diretora da Casa de Cultura e Cidadania, e também aos funcionários que não mediram esforços para que tudo transcorresse na maior harmonia possível.

Desejo que todos os coordenadores “cruzem” com esse tipo de pessoas engajadas como nós!