por Marília Martins
(coordenadora voluntária de Guarulhos/SP)

 

Um mês para descrever as qualidades que uma pessoa deve ter para me representar… e a conclusão de que a tarefa é árdua; tanto para representar quanto para descrever.

Como já escrevi, o sentimento básico de um representante DEVE ser o RESPEITO ao próximo. Ele pode ter ideias contrárias às minhas, mas deve saber que somos seres únicos e, por isso, diferentes. E, caso a minha ideia seja dissonante do restante grupo, que tenha SABEDORIA para modificá-la. Um bom representante sabe o real significado da palavra HUMILDADE, e a mantém na sua essência. Ele entende as IDEOLOGIAS do seu grupo e não se corrompe em hipótese alguma. CARISMA, LEALDADE, HOMBRIDADE, NATURALIDADE, DESAPEGO pela fama e poder que estão relacionadas a posição representada, FIDELIDADE ao cargo; essas qualidades tornam pessoas comuns, ótimos representantes!

Basicamente, para me representar, você deve ter a plena ciência de que não basta querer ser representante, representar é uma circunstância passageira e por isso é imprescindível MATURIDADE e HONESTIDADE. Uma pitada de LOUCURA também é essencial, pois acredito que só os LOUCOS de sentimento conseguem mudar o mundo. Os poetas diriam que são qualidades, formosuras; o marketing descreve como encantamento; invejosos chamam de defeito; críticos e céticos não conseguem enxergar, mas o meu representante deve ter uma característica singular, nata, surpreendente, seja ela qual for…

Enfim, dificílimo descrever o “representante ideal” em um país repleto de maus exemplos, principalmente dentro da política. E diante dessa dificuldade, me resta apenas agradecer àqueles que realmente me representaram de “corpo e alma”, àqueles que me orgulho, com quem aprendo a cada dia o real significado de ser representada: Daíz, Dri Papel Dib, Fininho Santos, Carmem Falcon, Lú Bason e Dinho… MUITO OBRIGADA!

PS: Luiz Roberto Scott, obrigada pela conversa inbox. Devo esse texto à vc!!!! 😉