E, se…?

Aconteceu em 2050, essa conversa imaginária entre avô e neto, iniciada com a seguinte interpelação pelo garotinho:

– Vovô, por que o senhor não é mais um Dentista do Bem?

No mesmo tom vem a resposta:

– Porque não existem mais Dentistas do Bem, meu netinho.

–O que fazia um Dentista do Bem, vovô?

O velho responde, então, que os Dentistas do Bem ajudavam crianças carentes de todo o Brasil e fora do Brasil também. Levavam saúde bucal aos mais necessitados, devolvendo a milhares de crianças o valor de um belo sorriso.

– Vocês faziam tudo isso?

– Sim, éramos audaciosos, queríamos que todos tivessem acesso à saúde bucal.

– E como foi que vocês desapareceram, vovô?

– Ah, foi tudo parte de um plano genial, que foi executado aos poucos e com muito suor derramado por pessoas que acreditavam num mundo melhor. O vovô, com ajuda de muitos dentistas espalhados pelo Brasil, acreditava que era possível disseminar a ideia que dentistas não eram coisa apenas para gente rica. Lutamos, gritamos, fizemos barulho, chamamos a atenção de gente importante, até que fomos ouvidos. Aos poucos, conseguimos implantar nossa ideia. O Governo, em fim, se deu conta que era necessário cuidar, e cuidar bem, da boca das nossas crianças. Hoje, todos podem usufruir de um dentista de qualidade. Não vemos mais pobre banguela, queixas frequentes de crianças com vergonha de dar um sorriso. O Governo, graças a nós, fez sua parte. Foi uma conquista muito grande para todos.

Será que um dia poderemos ver o Brasil nessa situação, onde acesso à saúde bucal não será mais um problema??

Vamos continuar gritando!!!

Cleferson Ferreira
Coordenador de Recife/PE