Fechado pra balanço

Pensando em todas as novas e intensas experiências que tenho vivido no último ano, especificamente nos últimos 30 dias, refleti muito e vou tentar colocar no papel algumas conclusões: Conhecer pessoas, e pessoas incríveis e desprendidas nos faz crescer e melhorar e fechar para balanço. E nos faz olhar pra dentro de nós mesmos e nos autoavaliar: não é fácil…não é nada fácil! E foi isso que fiz com um grupo de mais ou menos 40 pessoas discutindo, expondo ideias, debatendo com muito respeito e vontade de colocá-las em prática da melhor maneira possível.

Conclui também que Bons exemplos devem ser replicados e os maus, que dividem, que destroem nossos sonhos e objetivos, que nos deixam tristes e frustrados, devem ser deletados pra sempre do nosso HD pessoal. Devemos aguçar, a cada dia, nosso lado observador, falar menos e ouvir mais.

Às vezes olho pra nós e tenho a impressão que formamos um gigante quebra cabeças de 15.000 peças diferentes, que precisam se encaixar perfeitamente, cada uma no seu lugar, cada uma ocupando seu espaço bem ajustado, pra que a imagem seja perfeita. Se uma delas estiver fora do lugar não iremos mostrar aos que nos observam a verdadeira forma e objetivo da TdB, a imagem fica deformada.

Em perfeita harmonia, 15.000 peças, cada uma com sua luz particular, com seu valor, não esquecendo a importância das outras peças, tirando os olhos do nosso próprio umbigo, a imagem é perfeita. E diante disso tudo me lembrei de uma historia do filósofo Sócrates, segundo o qual devemos pautar nossas vidas em três pilares, que ilustrou com a figura de três peneiras:

A primeira peneira é a da VERDADE: Pergunte-se se você tem certeza de que esse fato é absolutamente verdadeiro. Se lhe sobrar no espírito alguma dúvida ou receio, então, não pode ser tido como verdadeiro.

A segunda peneira é a da BONDADE: Pergunte-se se o que você vai contar, mesmo que seja verdade, se gostaria que os outros também dissessem a seu respeito (exercite sempre se colocar no lugar do outro). Se por qualquer motivo lhe causar horror ou transtorno, então não pode ser tido como algo bondoso.

A terceira peneira é a da NECESSIDADE: É realmente necessário contar esse fato ou mesmo passá-lo adiante? Respondendo: Por quê? A pessoa te deu esta liberdade? Isto irá beneficiá-la? Irá fazer-lhe algum bem?

Se o que você irá contar realmente passou pela terceira peneira, então, poderá passar adiante.

Se as pessoas usassem desses critérios, seriam mais felizes e usariam seus esforços e talentos em outras atividades, antes de obedecer ao impulso de simplesmente passá-los adiante, pois: “Pessoas inteligentes falam sobre ideias; pessoas comuns falam sobre coisas; pessoas mesquinhas falam sobre pessoas”.

Isso é válido para todos os âmbitos de nossas vidas (amizades, família, casamento, negócios).

“Finalmente, tudo que é verdadeiro, tudo que é respeitável, tudo que é justo, tudo que é puro, tudo que é amável, tudo que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso que ocupe o nosso pensamento”. (Filipenses 4.8)

 

Rosemary Marqueti
Coordenadora de Cachoeiro de Itapemirim/ES