Pouco para sorrir

Atualmente o Brasil possui uma população de aproximadamente 197 milhões, sendo que 16,27 milhões vivem em situação de extrema pobreza. Este número representa 8,5 % da população, segundo o IBGE. Isso quer dizer que um em cada dez brasileiros vive com renda domiciliar igual a zero e 11,43 milhões possuem renda de R$ 1,00 até R$ 70,00, dados agravados pelo fato de que no Brasil o custo médio de uma cesta básica é por volta de R$ 70,00 a R$100,00. Por conta dessas condições, os produtos de higiene bucal como a escova, creme e fio dental acabam ficando exclusos do orçamento familiar.

Muitas pessoas possuem na memória infantil a figura de um ser de branco visitando nossa escola com palestras, vídeos informativos, instruções de escovação e técnicas da correta utilização do fio dental. Entretanto, nem todas crianças possuem acesso a este primeiro contato com a odontologia. Nas de famílias pobres o contato com a odontologia, muitas vezes, vem de modo tardio, quando a saúde bucal já está comprometida. Há casos em que são tomadas medidas extremas como a extração de todos os dentes da cavidade oral. Uma pessoa desdentada é um individuo com baixa autoestima, e com problemas emocionais e fisiológicos.

Nós como alunos de Odontologia estamos certos de que o caminho seguro para mudar essa realidade é uma maior atenção e planejamento dos órgãos públicos, como a distribuição (feita com equidade) de um kit básico de higiene bucal. Dessa maneira, teríamos um programa odontológico mais acessível a todos, que atuaria então, efetivamente, na prevenção, promoção, qualidade e bem estar social.

Jéssika Peres
Gabriella Curtulo
Raquel Dolfini
Natalia Carvalho
Thaysa Munhoz
Alunas do 1° ano de Odontologia (FHO – Uniararas)