por Walter da Silva Jr.
(coordenador voluntário de Bauru/SP)

 

Esse texto é mais direcionado aos “odontossauros” de plantão, mas serve de alerta aos mais novos também.

Parece que foi ontem que me formei. Costumo dizer a meus alunos que os primeiros cinco anos demoram a passar, mas depois disso… Já vou pra 26 anos de formado.

Como a grande parte dos colegas, fomos preparados pra trabalhar. Estudar, se especializar e trabalhar mais! Vejo amigos de outras áreas, principalmente concursados, se preparando para aposentar e eu nem imagino quando. É claro que a profissão liberal tem suas vantagens, mas se não houver planejamento, ficamos reféns dela. Mas, QUEM SABE a hora de desacelerar?

Gosto muito do sociólogo italiano Domenico De Masi (autor de “Ócio criativo” e “Economia do ócio”, dentre outros) que enfatiza em seus livros a importância do ócio. Segundo ele, se todos trabalhassem meio período não haveria desemprego no mundo. Defende também a flexibilização dos horários de trabalho, que faz a produtividade aumentar com menos horas trabalhadas. Como não fomos preparados para usufruir da aposentadoria, quando chegamos ao merecido descanso não sabemos muito bem o que fazer. Concordo que para a geração de nossos pais e avós isso era normal, comum! Inclusive porque a expectativa de vida era bem menor. Hoje, uma pessoa que se aposenta por volta dos 60 anos tem ainda uns 20 para viver e, na maioria da vezes, não sabe como aproveitar.

Esse post não é para dar conselhos nesse assunto, mesmo porque não sou a pessoa mais indicada. Tenho tentado planejar com carinho meus dias futuros de descanso, mas ainda me parecem bem distantes.

E você, já está se preparando pro futuro?